terça-feira, 29 de julho de 2008

Os adormecidos do sistema

Os homens e os ministros assinalados
Que do gabinete legislam
Dão cabo da vivacidade
E de tudo que nos ensinam.
As mágoas carpiam corações
Desistentes da luta moral
Já nem de Abril as canções
Fazem lembrar o mal.
Combatentes de Abril
Estranho Presente se parecem
Bebem a pouca água do cantil
Morrem à sede os que merecem.
Do povo, Pelo povo, para o povo
Parecia ser o mote
Mais parece um polvo
Que aperta como um garrote.
Ainda acredito na democracia?!...
A luta democrática chegou ao fim de facto
Já vão longe as disputas
Os governos vendem-se ao desbarato
Olhamos à volta e só vemos ***** (rima com disputas).
Compram-se deputados (limiano)
Para o país funcionar
Depois no seu lugar estão sentados
De olhos fechados a dormitar.
Para que precisamos da representação do povo
Se ela não mais é que a farsa
Mais vale um bom cozido
Do que toda esta salsa.
Quando temperaremos esta disputa?...

1 comentário:

elisasilrib disse...

Cada vez será mais difícil encontrar um tempero certo para o bom, ou pelo menos, para um razoável funcionamento do país.
é um país com uma grande percentagem de "iletrados". Atiram com "areia aos olhos" para ver se pega... Dão com uma mão mas tiram com duas...